08/09/2018

UMA CONVERSA SINCERA

- foto: Pinterest
Olhe ao redor. Vamos, não é difícil. Vejo pessoas correndo atrás de ônibus, vejo muitos ônibus, vejo pessoas no celular, vejo a hora que nunca para, vejo pessoas andando para todos os lados.

Sua vez. O que você vê?

Não tive meu melhor dia. Pedi dois ônibus, peguei trânsito, me atrasei... Que dia, meus amigos. Que dia! Eu só queria estar na minha cama, comendo brigadeiro e fazendo qualquer outra coisa.

Mas o vento está tão bom! Meus cabelos, hoje, alisados de chapinha, dançam com o vento. Sei que deveria já estar dentro do ônibus, mas o vento está conversando comigo, com minha pele, meus cabelos, minha alma.

O sopro do Criador com a Criação. 

Uma conversa sincera, de assuntos malucos. O vento me disse que fazia um tempo que queria conversar comigo. Veja só! Teve que armar toda essa confusão para dançar com meus cabelos.  

Quando foi que paramos de dançar? Quando foi que paramos para admirar? Deus, eu amo dançar!

Meus cabelos, pele e alma dançam em sintonia com o Criador, e Ele é um bom dançarino. 

Quando foi que parei de dançar?

Por que foi que parei de dançar?

Sinta o vento, o sopro, a dança. 

25/07/2018

IMPÉRIO E ANARQUIA

Poderia eu, Senhor?
Poderia, eu? 

Digo aos céus: eis me aqui. [prostrada,
fraca]
Digo ao chão: eis me aqui. [erguida,
alta, forte] 

Dentro de mim 
[obedeço seu olhar]
Dentro de mim
[olho minhas mãos]

Não há outro. 
Há a mim.

Corro aos seus braços.
[fraca, forte]
Peço ao mundo
[forte, fraca]

Estou satifesta.
Tenho fome. [
como nadas
]

Há um. 
Há a mim. 

01/06/2018

O DIA EM QUE EU FUI DESPEDAÇADA

-foto: Flickr

Hoje. Uma hora atrás, mais ou menos. Dia 27 de maio de dois mil e dezoito. Local: uma igreja não muito maior que minha casa. Com quem: um pastor de Igrejas Perseguidas. Como: em um culto sobre Igrejas Perseguidas. Por quê? 

Boa pergunta. Vamos à resposta. Está pronta? Prepare os lencinhos. Isso também é sobre você e para você. Mulheres, sois fortes. 

Essa foi minha primeira certeza ao começar a pregação de hoje, dia 27/05/2018. Tinha visto no slide do pregador uma foto de uma mulheres da Igreja Perseguida com 4 filhos pequenos. E tive essa certeza: mulheres, nós somos fortes. Mas logo escapou essa constatação do meu ser. Acabei focando em outras pautas. Até que uma outra pauta fez meu mundinho de dramas e dores, mas muito dramáticas, caiu em terra. E meus olhos se encheram de lágrimas. 

Prepare os lenços. Isso é para você e sobre você também. 

Uma menina de 20 anos. Igualzinha eu e você. Uma menina. Com um coração, pulmão, mente, força e sentimentos. O que nos distancia e diferencia é muito além de uma fronteira e de liberdade, é a fé. Poderia dizer Amor, Força, ou o que seja. Mas, sem querer ser dura, o que me faz diferente dessa menina é a fé. Ela tem fé, eu fingo ter. Sobre ela: Ama Cristo Jesus com todas suas forças (não a conheço, mas disso eu tenho certeza); mora num país onde é contra a lei amar Cristo Jesus; sofre perseguição por amar Cristo Jesus; foi sequestrada e abusada por muitos homens em muitos dias por amar Cristo Jesus. Isso te fere? Deixa eu te contar o resto. Depois de recuperada e amparada tinha vontade de suicidar-se, mas foi cuidada por uma galera que ama Jesus, assim como ela, e agora dá aulas de Escola Dominical sobre o Amor de Jesus para um grupo de outras meninas, num país onde é proibido o amor por Jesus. Sabe o que me fere nessa história? Nunca serei como ela. 

E é aqui onde eu sou despedaçada. 

Nunca serei como essa menina. Eu, Letícia, privilegiada de poder amar Cristo no meu país, nunca demonstrarei tamanha fé por meu Jesusinho como essa menina em situações tão adversas da minha. E eu me sinto fracassada. Se minha história fosse igual à dessa menina eu não seguiria Jesus. E\é doloroso de dizer. Mas é a verdade. Sabe por quê? Porque a fé dessa menina é um mar e a minha, uma gota. Tristemente digo que se essa fosse mina história, eu recusaria Cristo, eu recusaria o Evangelho. Mas eu não sou. E recuso Cristo todos os dias pensando em meus sentimentos que dominam minha vida. Eu recuso Cristo todos os dias porque a situação aqui em casa me impede de comprar novas roupas, que inclusive são feitas por trabalho escravo dessas meninas. Eu recuso Cristo todos os dias porque me sinto cansada demais para ler a Bíblia. Eu recuso Cristo todos os dias quando sinto vergonha de ser chamada de "Evangélica". Céus, quem sou eu? Quem é Cristo?

Ouvindo John Mayer agora, no aleatório, Deus acaba de falar comigo. Escute também. Você me conhece por completo?  Infelizmente a resposta é não. Li a Bíblia quase que inteira e ainda não conheço Jesus. Letícia, lembra do começo de sua caminhada? Seu clamor era para Conhecer Jesus. Não pense que o conhece por completo. Você nunca o conheceu. A menina de 20 anos conhece Jesus. Ela, numa situação milhões e infinitas vezes pior que a sua, não reusou Jesus. Você o recusa todos os dias. Te pergunto de novo, quem é você? Quem é Jesus para você? 

Você que me conhece sabe que sou mulher. E que luto pelos direitos das manas e que quero que elas sejam respeitadas, amadas, com voz, participativas, felizes. Quero que elas tenham o direito de escolher. E nisso não há vergonha nenhuma. Eu luto para que as manas possam ter o direito de escolha. Mas essa menina me ensinou algo que nunca tive o prazer de ver em toda a minha vida e que nunca verei: Ela teve o direito de escolher. Em Jesus. A causa de sua dor foi seguir Jesus, mas ela escolheu continuar seguindo Jesus. Nele eu posso todas as coisas. Até escolher (mesmo sendo tratada como lixo por ser mulher). Meu Deus, essa menina me ensinou que em Jesus eu posso, meu Deus, eu posso escolher. Eu posso escolher lutar, amar, seguir, conhecer, viver. Eu posso. Nós podemos. Em Jesus.

Sei que você, mulher, sofre por ser mulher. Não há mal nenhum em reconhecer isso. Nós somos reprimidas, sim. Pode ser que não como essa menina, mas sim, somos oprimidas. Respire, você pode reconhecer isso e saber que não está sozinha. E por isso esse texto é para você. Sou absurdamente amada pelo Pai. E você também. Somos absurdamente amadas e desejadas pelo Papai. E isso basta.

Nossa amiga de 20 anos que nem o seu nome eu sei, sempre soube desses segredos que te contei. Que o Espírito Santo me contou. Ela sempre soube quem ela é, independente do que ela tinha. Tinha homens abusando de seu corpo? Sim. Mas ela é movida por quem ela é. E ela é filha de Deus. Quero mesmo te convidar a se juntar comigo em oração. Pelas mulheres. Vamos dividir nosso grupo, pode ser? O primeiro grupo são as mulheres onde existe uma violência contra a mulher fora de controle. E o segundo, mulheres onde essa violência é escondida. Vamos orar para que situações como essa acabem. Vamos orar para que as mulheres possam descobrir quem são em Cristo. Vamos orar para que a violência contra a mulher nao exista nunca mais. Vamos orar. Conto com você nessa missão. E em especial, pela nossa amiga desse país. Vamos inventar um nome para ela, ok? Raabe. (Gosto muito dessa mulher na Bíblia, representa muito para mim). E nossa amiga será apelidada de Raabe. Ore por ela todos os dias de sua vida. Ore com toda sua força. Peça a força dela para sua vida. Peça a fé dela para sua vida. Ore por ela. Ore pelas suas feridas. Ore pelas meninas que ela leciona na Escola Dominical. Ore para que um dia eu possa me encontrar com ela, aqui na Terra, ou no céu, e que possamos tomar um café e conversar (Sabrina, você está convidada também). Ore pela Raabe. Ore pelas Igrejas Perseguidas. Ore. Ore. Ore. 

Eu não quero acabar esse texto nunca mais. Poderia escrever páginas e mais páginas. mas ainda sim não será necessário. Prometo escrever mais sobre as manas. Ok?

Mas para finalizar te digo que hoje aprendi uma valiosa lição. 1, sou pó e que nada valho nesse mundo. Acho que o Espírito está me dizendo algo sobre seguir os sonhos dEle para mim, mas não sei bem, tenho muito medo de não seguir meus sonhos (ore por mim em relação a isso). 2, preciso conhecer Jesus, não O conheço. 3, preciso ter o coração da Raabe. 4, preciso ter a fé da Raabe. 5, quero um dia, tomar um café com a Raabe. 6, preciso orar mais. 7, preciso sonhar o que Cristo sonha para mim. 8, preciso dar mais atenção à missões. 9, necessito falar sobre mulheres e seu valor nessa sociedade machista e violenta conosco, meninas. 10, preciso mesmo conhecer Jesus. 11, preciso estra disposta a morrer com Cristo afim de viver com Ele. 12, eu sou pó. 13, preciso ter a fé da Raabe. 14, meninas, somos fortes! 

E termino esse texto (não o assunto) com um agradecimento à fé de Raabe que reacendeu um fogo no meu coração. Um dia, amiga, eu creio, vamos conversar sobre nós duas e sobre Jesus, mesmo eu não te conhecendo agora e você não tendo ideia de quem eu sou. Um dia, no céu ou na Terra, vamos comemorar a ressurreição de Jesus. Obrigada por dizer sim à Jesus. Sua vida inspirou meninas como eu. E juntas nós podemos mudar o mundo. E juntas podemos levar o Evangelho a todas as criaturas. E juntas, com Jesus, podemos acabar com a violência contra as mulheres. Um grande viva à Quem merece toda Glória: Jesus! Diga comigo: VIVA! 


10/05/2018

INTENSIDADE TAMBÉM É RESISTÊNCIA

-foto: Tumblr

Boa tarde. Eu sei que você vem sempre aqui porque quer saber um pouco do meu viver, das minhas experiências, da minha identidade. Não é nada fácil o viver, sabemos. Muita das vezes temos vontade de ir embora, para sempre. Mas viver é sobretudo, resistir. Essa palavra "Resistência", vem martelando em minha cabeça por um tempo já. Eu vivo e resisto, ou resisto e vivo? Não sei bem, mas eu resisto e também vivo. 

Penso muito que um ano intenso é um ano bem difícil. Ensino médio é um ano bem intenso. Há mudanças, há cobranças, há responsabilidade, há amadurecimento, há muita resistência. E quando percebemos que somos fortes e resistentes? Quando temos aquela prova de matemática sobre geometria espacial que não entendemos muito bem durante as aulas e que depois de uma nota vermelha, uma recuperação, milhares de trabalhos, no final do ano percebemos que conseguimos sobreviver a essa loucura com um boletim cheio de notas azuis. Sim, somos resistentes. (mesmo na intensidade do viver).

Mas eu gosto de intensidade. (Há crescimento!). E eu gosto de crescer e amadurecer. (Há intensidade!). Por favorzinho, não deixe de crescer, mesmo quando a vida exige muito de mim e de você. Resista! Contra o sistema, contra as leis, contra o histórico. Resista! Mas não perca sua identidade. (Saiba quem você é!). Quem você é? Quem eu sou? Ando aprendendo. Caindo. Sorrindo. Chorando. Me decepcionando. Pensando Questionando. Rindo até cair. Chorando até me levantar. Estou aprendendo quem eu sou. Para mim. E para os outros. 

Sou mais que a Letícia, bem antes. Sou mais que uma mulher, bem antes. Sou mais que um ser humano, bem antes. É antes. Sou dEle. E isso importa mais que meu nome, minha definição. E eu vivo sabendo quem eu sou. Eu resisto quando sei quem eu sou. E vou descobrindo quem Ele é. E isso não é cafona. Isso é minha identidade. Isso é minha luta, minha resistência. Luto para me encontrar todos os dias e para poder encontrá-Lo. Não é vergonha dizer que luto para saber quem eu sou, porque isso sim é saber viver. E viver é ser intenso, no último. Som escancarado. Porque eu vivo, porque eu vi e porque eu vô. Eu vi Ele e vou para Ele. Isso aqui é viver. E isso sim é resistir. Resisto a ti, natureza humana e vivo por Ele e para Ele. Resista! Resisto! 

30/03/2018

RESPIRE. VÁ. RESPIRE.

-foto: Flickr -
Um pequeno grande passo para decifrar o que se sente é escrever sobre o que se tem dentro do coração. E por isso, mais uma vez, estou aqui. Dessa vez não tenho um título, nem um assunto, mas trago um coração aberto. Caso você não compreenda corações abertos te recomendo buscar qualquer outra coisa. Hoje nós falaremos do que temos e isso pode ser o grande nada que está aflorando em meu peito. 

Viver uma vida cristã é a coisa mais prazerosa do mundo. E eu digo isso porque simplesmente temos a Pessoa mais perfeita ao nosso lado ao tempo todo. E somente por isso é incrível dizer que se tem Tudo dentro de ti. (Você não sabe mas nesse exato momento o Espírito Santo acaba de me responder uma pergunta gritada em meu coração.). Mas sobre ser uma vida incrível é o ponto exato no qual o Espírito quer falar conosco. Pense, menina. Uma rosa, por ser linda e incrível, tem espinhos. E isso parece tão inútil quando essa coisa chata de marré marré marré chamada rotina nos tira a atenção. A rosa também tem espinhos porque nem tudo na nossa vida cristã é fácil. E eu te pergunto, onde ficam os espinhos na rosa? No caule. Muito bem. Sabe por quê? Não dá para arrancar. Eu, nem você, que enraizamos nosso amor nEle, podemos simplesmente tirar isso de nós. É nossa identidade. É quem nós somos. Eu sou dEle, Ele é meu. E mesmo não sendo nada fácil caminhar com Cristo, eu ainda assim, não posso ser arrancada do Seu Amor porque estou enraizada desde quando fui criada (mesmo eu não tendo ideia alguma de quando isso aconteceu ou o porquê). 

Lendo essa última frase você pode ser uma pessoa muito empática e pensar: "Puxa vida, a Letícia está passando por um processo muito difícil." E eu vou te responder: "Sim, estou na fossa. Mas estou bem. Sorriso." É verdade? É sim. Estou bem? Vou ficar. Acho que  questão está na verdade. Cristo é a própria Verdade. E o que isso muda em mim e em você? Exatamente. Não fomos, de maneira nenhuma, chamados para sermos falsos com os outros e com nós mesmos. Hoje aprendo a ser verdadeira. E se eu não te responder, ou qualquer coisa do gênero, lembre-se: passo pelo processo da purificação da verdade e posso não estar muito a vontade com você. Mas se quiser, podemos dar as mãos e passar por esse processo juntos. E aí vamos descobrir porque é que Jesus é a Verdade. E, acalme-se, ficarei bem. O Espírito me afirma isso. E acho que pedir para Ele orientar uma escrita bastante livre é uma amostra de que Ele se importa comigo, com meus dramas e sentimentos e que esse é um passo para colhermos juntos aquilo o que Ele espera de mim. Respire. Tudo, no fim, se ajeita. 

Já que não seguimos, de forma alguma, uma coerência, vou dizer sobre um assunto que aconteceu comigo ontem, quinta-feira, no cursinho. Aula de História. E caraca, eu amo essa aula. É de longe uma das minhas favoritas. Histórias me empolgam. Claro que existe todo um problema sobre a História contada, claro. Mas esse é um outro ponto sobre mim que precisamos falar daqui a pouco, talvez. A aula de História ontem falou do Renascimento e sobre as Reformas Religiosas, entre elas, a Reforma Protestante. Eu e você devemos saber que essa Reforma foi importante para consolidar o que nós conhecemos de instituição religiosa protestante/evangélica hoje. Valeu, Lutero! E a professora perguntou para a classe quem seguia essa religião. Não pensei sequer por 1 segundo. Levantei a mão. E a classe olhou para mim. E a professora peguntou se eu realmente seguia. Concordei. Ela me fez a pergunta sobre quais foram os fundamentos de Lutero. Disse os Solas. E ela continuou falando sobre e prosseguiu a matéria. Mas, pode ser coisa da minha cabeça, pode sim, mas senti um certo olhar de curiosidade, se assim posso definir. E, pasmem, eu senti vergonha. Vergonha de ter dito que minha vida é fundamentada em, além de um dizer de Lutero, de um dizer de Cristo. E eu me senti envergonhada perante homens e perante Cristo. Eu mesma, que tenho um blog em que alimento a mim e a um tanto de pessoas sobre a vivacidade de Jesus. Falar disso me deixa constrangida e eu nem sei o porque de eu estar aqui, em um espaço público, abrindo meus dramas (aliás, o drama pode não ser um drama de verdade. Nossos sentimentos são tão amplos, nossas bases são tao sólidas, os acontecimentos nunca são cem por cento explicados e o drama só é drama para aquele que não entende que por trás de uma situação existe um ser cheio de sentimentos. Podemos um dia falar sobre isso, o que acha?). O que eu sei, voltando ao período anterior, é que eu tu, tu e eu, alguma vez na nossa vida, já sentimos vergonha de afirmar nossa fé. E nesse momento eu estou sendo sincera com você e te pergunto sobre esse assunto também. Por que é que nos sentimentos assim? Acredito que a resposta esteja na forma em que o mundo corre em velocidade e em mentira(?) e como nós estamos, ou devíamos estar, ocupados demais olhando o fogo nos olhos de Jesus. Sei que isso não respondeu a pergunta, mas nem sempre nossas perguntas vão ser respondidas. Mas vivo um processo de Verdade, lembra? Estou sendo verdadeira. E afirmo a você que isso aconteceu e eu não faço ideia do porquê. Sei que um dia saberei. Pergunto a você: por que sentimentos vergonha ao falar sobre a vivacidade de Jesus para pessoas que não acreditam em Jesus? 
(Professora, acho meio impossível você ler isso aqui, mas caso esteja lendo, não, o problema não foi com você, foi comigo, e eu sei que isso também faz parte da minha e da construção de muitas pessoas. Sua aula foi incrível e eu não quero impor a você sobre o que ou não acreditar. Acho que seus alunos são e serão muito sortudos de te ter lecionando. Obrigada por ter feito essa pergunta e por ter respeitado a minha crença, mesmo talvez você não acreditando. Cara, isso foi uma prova visível de que a empatia existe. Obrigada por perguntar. Obrigada.). (Você pode estar dizendo que isso é o mínimo, mas em você ter pensado que talvez uma piada fora de contexto ou um comentário mal intencionado sobre algo que você acha bizarro, estranho ou errado, pudesse machucar alguém que segue isso como estilo de vida foi algo dos mais bonitos que já vi nessa vida. Se o mundo fosse cheio de você, que aliás, é minha xará, o mundo seria mais habitável. Obrigada de novo.). (Vamos conversar, o que acha?). 
Igreja, vejam esse exemplo. Pessoal que não é da igreja, vejam esse exemplo. 

Se você anda estiver lendo isso te aconselho a pegar uma água para respirar um pouco. Cara, você deve estar mesmo interessado nisso aqui, né? Juro que acabo logo. Isso não significa que meus sentimentos estão todos explicados, claro que não. Existe muito mais aqui. Mas significa que algo está começando. E que, talvez, nós possamos descobrir com o tempo. 

Lembra do parágrafo anterior que falei sobre existir um problema sobre a História e tal? Quero focar com você na palavra problema. Não queria quebrar sua admiração em mm, mas eu sou a pessoa mais crítica que eu conheço. Sei que não é uma medida justa, mas a questão é que sou bastante cri cri. Pelos textos acho que isso não é mostrado, mas sim, eu crítico estruturas, sistemas, fontes, pessoas, dados, Histórias, ideias, costumes... E por aí vai. Você pode não pensar isso sobre mim, mas assim eu sou. E sendo bem verdadeira, dizer isso é muto bom. Assuma que você é agora. Sentiu? Eu, meus caros, sou crítica. Em tudo tem problemas, em tudo há falhas, em tudo há imperfeições. E assim eu vou e assim eu sigo. Talvez isso para você seja bom, pense, não vivo alienadamente na bolha, mas também pode ser ruim porque, pense, NADA me deixa satisfeita. Essas duas últimas semanas eu tenho convivo com a pessoa mais chata que eu conheço: eu mesma. Nessas duas últimas semanas eu venho convivendo com a pessoa mais insuportável até agora: euzinha, Letícia. E em tudo eu penso, "Mas que droga, odeio essas coisas. Odeio essa mundo. Por que tudo tem que ser assim? Inferno!". Isso quando não penso em coisas piores. E recebi, de novo, a repostas do nosso Amigo. Eu estou olhando para o lugar errado. Pensar que nessas duas últimas semanas eu venho adiando minha leitura diária da Bíblia, venho colocando matérias atrasadas e falsos ídolos no lugar central de Jesus, venho orando da forma mais rasa possível... Tudo isso me mostra que meu olhar está no lugar errado. E digo mais, Jesus além de ser o lugar certo, me transforma. Jesus tá vivão. E seu sou suportável é porque, ao ir para o lugar secreto, eu sou transformada pelas Suas mãos. As Mãos de ferro do meu Salvador estão aí, Vivas, para salvar, curar e transformar. Eu só olhei para o lugar errado. 

Agora eu digo tchau. Provavelmente você gostou desse texto porque leu-o até aqui. Espero que não tenha se assustado, porque meu processo atual é da verdade  e me sinto muito a vontade de dizer tudo o que vivo aqui. Como disse ainda tem muito mais de mim para ser dito, mas deixarei como tópico de outros textos mais profundos, tá? Por favor, lembre-se que somos todos seres humanos e como rosas não podemos deixar de lado nossa raiz no Amor. Somos dEle. E se quiser responder às minhas perguntas ali, a vontade e se quiser me escrever algo bem do legal, escreva. Viva! Mas nunca se esqueça que estamos todos na mesma caminhada, caindo, levantando, rindo, chorando... E isso pareceu mesmo uma música do Roberto Carlos, mas eu sigo em frente. Espero que você também. :) :) :)