31/03/2019

ÀS LETÍCIAS, UM LEMBRETE

-foto: Flickr-

Muitos dos textos que escrevo são em momentos em que minha alma se encontra em um nível de tristeza muito grande. Mas hoje não. Eternizar a tristeza não vale tão pena quanto eternizar a alegria. Ninguém me disse isso, mas eu acho que é sim. Hoje, meus amigos, eu vou eternizar a alegria. A extrema alegria. E quando eu estiver para baixo, virei aqui e direi a minha alma, "não faça das lágrimas sua casa, você é de outro lugar.".

Agora o motivo da minha alegria: fui à igreja depois de uma longa temporada de ausência. Eu explico. Tenho trabalhado durante os horários de domingo a noite, o que não me possibilita comparecer aos cultos de domingo. Isso já me tirou longas e pesadas lágrimas. Lembro de mim na igreja chorando muito ao dizer isso às pessoas e alguns irmãos em Cristo me abraçando e chorando junto a mim. Confesso que nunca me senti tão amada e amparada como naquele dia. Quero amar os outros como eles me amaram (e amam). Quero mesmo, de todo meu coração, alma e espírito. Mas, hoje eu fui. Antes mesmo de entrar meus ex alunos de escola dominical vieram correndo ao meu encontro me abraçar e dizer que sentiam minha falta. E isso merece um paragrafo exclusivo. Leia o próximo.

Quando fui convidada a dar aulas de escola dominical eu tinha apenas 17 anos. Eu fazia parte da sala dos jovens e mesmo assim me convidaram a dar aulas para meus amigos de sala. Aceitei com muito receio. Lembro de ter escolhido um assunto que eu mesma não tinha muito domínio, pesquisei e fiz um rascunho da aula. Falei sobre Jejum. No final, eu e eles saímos abismados: o Senhor tinha nos presenteado com Sua presença ali. Foi um dia lindo. E não teve outra: com 17 anos virei professora titular dos jovens. E em todas as minhas aulas eu fui extremamente impactada e principalmente, ensinada. Achava que tinha algo a ensinar e no final, eu quem aprendia. Parar de dar aulas para minha criançada foi duro. Criei um laço afetivo com eles, de proteção mesmo e vê-los correndo para me abraçar foi uma das formas mais sensíveis e puras de amor que eu presenciei. Sei que nunca vão ler isso aqui, mas vocês mudaram minha vida e mudam todos os dias. Oro para que Jesus habite em vocês. Obrigada. s2
(Também vou relatar o dia em que um deles junto com seu primo que nos visitou em uma aula me ligaram e disseram sentir falta de mim e das minhas aulas. Isso fez-me ver com olhos de amor. Saber que eu, de alguma forma, impactei suas vidas me transforma. Obrigada.).

Acho que você já percebeu que fugi do assunto, mas agora vou voltar. Depois dos abraços dos jovens, veio o do meu querido pastor. Deus foi muito bom em escolher o Marcel para me pastorear. O vejo como um pai antes de tudo. Ele é sábio, honesto, bondoso e amoroso. Quero que um dia meus filhos tenham um caráter parecido com o seu, pastor. E quero que saiba, que me inspiro em você. Sentir os abraços calorosos do pastor Marcel me faz querer chorar. Quando ele me diz que sou grande, linda, inteligente, forte e no fim diz me ama, me faz querer chorar muito. E hoje não foi diferente. Mas eu sempre seguro as lágimas e opto por um sorriso de gratidão. Se hoje estou de pé é porque Deus usa esse homem para me dizer como me manter de pé -e ele nem sabe disso. Mas sou grata e muito privilegiada em ter o Marcel como paistor

E por fim, duas irmãs muito queridas me abraçaram e me falaram coisas lindas. Uma delas me disse que eu tenho crescido, amadurecido, mudado e me tornado independente. Depois quando ela ministrou, falou sobre perdoar mesmo sem você ter sido o causador do problemas. É, no final, eu fui completamente arrebatada por tanto cuidado. Sinto em meus ossos as orações dessa mulher sobre minha vida. Sinto que se continuo em pé é porque ela tem lembrado de mim todas as noites. Ba, quero ser como você! Obrigada! 

E claro, a Palavra. Quer saber o que Deus quiser falar ao meu coração? Sobre Arrependimento. Confesso que não sei direito o que isso quer dizer, mas sei que quero me livrar da velha Letícia e viver na produção de frutos de arrependimento. Quero exalar o perfume de Cristo, isto é, não viver de aparências. Quero que ao olhar para os meus olhos as pessoas não vejam uma pessoa simpática, quero que elas vejam Amor. Ser simpática, cheia de aparências é muito fácil, mas exprimir Amor no olhar, isso é o que quero. Não disse que é fácil, disse que é o que eu quero. Amor no olhar. Você pode me ajudar com isso, o que acha? 

Agora preciso te confessar: tudo isso aí em cima não tem haver como restante do texto. Você poderia ter simplesmente pulado tudo. Eu deveria ter avisado né, me desculpe. Eu só escrevo tudo isso para eternizar meus momentos. Compartilho tudo isso porque penso que ninguém vai ler, mas às vezes isso muda. De qualquer forma, o sentido do texto está bem no título. Se você não se chama Letícia, te convido a não ler o restante porque é pessoal às minhas xaras. 

Letícias, preciso que vocês cheguem à sua família e perguntem à eles o porque desse nome aí. Vai lá, eu espero. Qual foi a resposta? Vou dizer a minha, ok? Meus pais estavam confusos entre Vitória, Elizabeth e um outro que não lembro. No final, meu pai e minha avó escolheram Letícia. Sabe o que significa? Alegria. Oh yes, acho que você entendeu agora. Eu não sou uma pessoa alegre, eu carrego em meu ser, minha carne e meu espírito a alegria. De quê?, você me pergunta. De viver, de ser. Acredito muito que nossos nomes revelam muito sobre quem somos. E eu sou a alegria. Paulo exorta os cristãos em suas cartas a serem alegres. Letícias, nós somos a própria alegria. E esse é meu lembrete a mim, a você: não importa se as paredes estão desmoronando em nós, somos a alegria. Não deixe que uma temporada fria defina você: você é a própria alegria. E isso é motivo de sorrir. Ande, rápido. Vá levar as boas novas ao mundo. Sorria muito. Viva em estado de viva satisfação.

Às Letícias, um lembrete: não faça de suas lágrimas sua casa, você é de outro lugar. Um lugar alegre. Nós vemos por aí xarás, as reconhecerei pelos seus sorrisos. 

Com Alegria,
a própria Alegria. 

03/12/2018

OXIGÊNIO

- foto: Tumblr

Quem poderia imaginar que logo após 35 gaus de temperatura, cairia uma tempestade. O sol, sempre esplendoroso no céu, se recolhia mais uma vez e dava lugar à chuva. O mundo é feito de água, também. Regue as flores. Regue, regue, regue. Chuvas são boas para plantações, samambaias e leituras. Chuvas são boas para chorar. O que eu entendi com meus poucos anos de vida é que nós precisamos de chuva! Molhe minha alma! Desce até minha alma cansada, me seque, chuva, me seque. 

As compras do mercado, agora estava na despensa. Leite condensado, açúcar, farinha, café, bolachas... tudo no devido lugar. Tudo, menos as laranjas. Quero que você entenda que o lugar de laranjas é na geladeira. Todos nós temos nossos lugares. O da laranja é na geladeira e o do leite condensado é na despensa. Não chores, alma confusa, é melhor assim. 


Helena, não chore. A chuva já passou. Respire fundo. Nem tudo está perdido. Pense comigo, há leite condensado e laranjas na cozinha. Você sabe o caminho até lá, não? Siga-o. A felicidade mora no fim do arco-irís, me diziam, mas antes atravesse o caminho. O ouro traz felicidade? Teremos que pensar, analisar e chorar. Helena, não há mal em chorar. Agora, as laranjas. Engraçado é que as laranjas são boas, mas o caminho também é. Ah vai, olhe com seus dez olhos, menina. A vida é tão bonita. 

Você tem braços, Helena. Olhe. Você tem olhos, boca, nariz, pernas, pés, orelhas, cabelo, unhas, dedos, coluna. Você tem a si mesma, garota. E meu Deus, você tem laranjas e uma bela cozinha! O que mais você procura? Não é suficiente? Seu nariz ainda respira oxigênio purinho, vindo de algum lugar no infinito. Eterno. Que beleza! Chuva, caia no quintal de Helena, a samambaia quer crescer verdinha e verdinha. E Helena também. Que laranja docinha, nunca pensei. Que ar cheiroso. Que noite bonita. Que vida bela. 

(Você -sempre- me faz querer viver novamente.)

(03/12/18)

08/09/2018

UMA CONVERSA SINCERA

- foto: Pinterest
Olhe ao redor. Vamos, não é difícil. Vejo pessoas correndo atrás de ônibus, vejo muitos ônibus, vejo pessoas no celular, vejo a hora que nunca para, vejo pessoas andando para todos os lados.

Sua vez. O que você vê?

Não tive meu melhor dia. Pedi dois ônibus, peguei trânsito, me atrasei... Que dia, meus amigos. Que dia! Eu só queria estar na minha cama, comendo brigadeiro e fazendo qualquer outra coisa.

Mas o vento está tão bom! Meus cabelos, hoje, alisados de chapinha, dançam com o vento. Sei que deveria já estar dentro do ônibus, mas o vento está conversando comigo, com minha pele, meus cabelos, minha alma.

O sopro do Criador com a Criação. 

Uma conversa sincera, de assuntos malucos. O vento me disse que fazia um tempo que queria conversar comigo. Veja só! Teve que armar toda essa confusão para dançar com meus cabelos.  

Quando foi que paramos de dançar? Quando foi que paramos para admirar? Deus, eu amo dançar!

Meus cabelos, pele e alma dançam em sintonia com o Criador, e Ele é um bom dançarino. 

Quando foi que parei de dançar?

Por que foi que parei de dançar?

Sinta o vento, o sopro, a dança. 

25/07/2018

IMPÉRIO E ANARQUIA

Poderia eu, Senhor?
Poderia, eu? 

Digo aos céus: eis me aqui. [prostrada,
fraca]
Digo ao chão: eis me aqui. [erguida,
alta, forte] 

Dentro de mim 
[obedeço seu olhar]
Dentro de mim
[olho minhas mãos]

Não há outro. 
Há a mim.

Corro aos seus braços.
[fraca, forte]
Peço ao mundo
[forte, fraca]

Estou satifesta.
Tenho fome. [
como nadas
]

Há um. 
Há a mim. 

01/06/2018

O DIA EM QUE EU FUI DESPEDAÇADA

-foto: Flickr

Hoje. Uma hora atrás, mais ou menos. Dia 27 de maio de dois mil e dezoito. Local: uma igreja não muito maior que minha casa. Com quem: um pastor de Igrejas Perseguidas. Como: em um culto sobre Igrejas Perseguidas. Por quê? 

Boa pergunta. Vamos à resposta. Está pronta? Prepare os lencinhos. Isso também é sobre você e para você. Mulheres, sois fortes. 

Essa foi minha primeira certeza ao começar a pregação de hoje, dia 27/05/2018. Tinha visto no slide do pregador uma foto de uma mulheres da Igreja Perseguida com 4 filhos pequenos. E tive essa certeza: mulheres, nós somos fortes. Mas logo escapou essa constatação do meu ser. Acabei focando em outras pautas. Até que uma outra pauta fez meu mundinho de dramas e dores, mas muito dramáticas, caiu em terra. E meus olhos se encheram de lágrimas. 

Prepare os lenços. Isso é para você e sobre você também. 

Uma menina de 20 anos. Igualzinha eu e você. Uma menina. Com um coração, pulmão, mente, força e sentimentos. O que nos distancia e diferencia é muito além de uma fronteira e de liberdade, é a fé. Poderia dizer Amor, Força, ou o que seja. Mas, sem querer ser dura, o que me faz diferente dessa menina é a fé. Ela tem fé, eu fingo ter. Sobre ela: Ama Cristo Jesus com todas suas forças (não a conheço, mas disso eu tenho certeza); mora num país onde é contra a lei amar Cristo Jesus; sofre perseguição por amar Cristo Jesus; foi sequestrada e abusada por muitos homens em muitos dias por amar Cristo Jesus. Isso te fere? Deixa eu te contar o resto. Depois de recuperada e amparada tinha vontade de suicidar-se, mas foi cuidada por uma galera que ama Jesus, assim como ela, e agora dá aulas de Escola Dominical sobre o Amor de Jesus para um grupo de outras meninas, num país onde é proibido o amor por Jesus. Sabe o que me fere nessa história? Nunca serei como ela. 

E é aqui onde eu sou despedaçada. 

Nunca serei como essa menina. Eu, Letícia, privilegiada de poder amar Cristo no meu país, nunca demonstrarei tamanha fé por meu Jesusinho como essa menina em situações tão adversas da minha. E eu me sinto fracassada. Se minha história fosse igual à dessa menina eu não seguiria Jesus. E\é doloroso de dizer. Mas é a verdade. Sabe por quê? Porque a fé dessa menina é um mar e a minha, uma gota. Tristemente digo que se essa fosse mina história, eu recusaria Cristo, eu recusaria o Evangelho. Mas eu não sou. E recuso Cristo todos os dias pensando em meus sentimentos que dominam minha vida. Eu recuso Cristo todos os dias porque a situação aqui em casa me impede de comprar novas roupas, que inclusive são feitas por trabalho escravo dessas meninas. Eu recuso Cristo todos os dias porque me sinto cansada demais para ler a Bíblia. Eu recuso Cristo todos os dias quando sinto vergonha de ser chamada de "Evangélica". Céus, quem sou eu? Quem é Cristo?

Ouvindo John Mayer agora, no aleatório, Deus acaba de falar comigo. Escute também. Você me conhece por completo?  Infelizmente a resposta é não. Li a Bíblia quase que inteira e ainda não conheço Jesus. Letícia, lembra do começo de sua caminhada? Seu clamor era para Conhecer Jesus. Não pense que o conhece por completo. Você nunca o conheceu. A menina de 20 anos conhece Jesus. Ela, numa situação milhões e infinitas vezes pior que a sua, não reusou Jesus. Você o recusa todos os dias. Te pergunto de novo, quem é você? Quem é Jesus para você? 

Você que me conhece sabe que sou mulher. E que luto pelos direitos das manas e que quero que elas sejam respeitadas, amadas, com voz, participativas, felizes. Quero que elas tenham o direito de escolher. E nisso não há vergonha nenhuma. Eu luto para que as manas possam ter o direito de escolha. Mas essa menina me ensinou algo que nunca tive o prazer de ver em toda a minha vida e que nunca verei: Ela teve o direito de escolher. Em Jesus. A causa de sua dor foi seguir Jesus, mas ela escolheu continuar seguindo Jesus. Nele eu posso todas as coisas. Até escolher (mesmo sendo tratada como lixo por ser mulher). Meu Deus, essa menina me ensinou que em Jesus eu posso, meu Deus, eu posso escolher. Eu posso escolher lutar, amar, seguir, conhecer, viver. Eu posso. Nós podemos. Em Jesus.

Sei que você, mulher, sofre por ser mulher. Não há mal nenhum em reconhecer isso. Nós somos reprimidas, sim. Pode ser que não como essa menina, mas sim, somos oprimidas. Respire, você pode reconhecer isso e saber que não está sozinha. E por isso esse texto é para você. Sou absurdamente amada pelo Pai. E você também. Somos absurdamente amadas e desejadas pelo Papai. E isso basta.

Nossa amiga de 20 anos que nem o seu nome eu sei, sempre soube desses segredos que te contei. Que o Espírito Santo me contou. Ela sempre soube quem ela é, independente do que ela tinha. Tinha homens abusando de seu corpo? Sim. Mas ela é movida por quem ela é. E ela é filha de Deus. Quero mesmo te convidar a se juntar comigo em oração. Pelas mulheres. Vamos dividir nosso grupo, pode ser? O primeiro grupo são as mulheres onde existe uma violência contra a mulher fora de controle. E o segundo, mulheres onde essa violência é escondida. Vamos orar para que situações como essa acabem. Vamos orar para que as mulheres possam descobrir quem são em Cristo. Vamos orar para que a violência contra a mulher nao exista nunca mais. Vamos orar. Conto com você nessa missão. E em especial, pela nossa amiga desse país. Vamos inventar um nome para ela, ok? Raabe. (Gosto muito dessa mulher na Bíblia, representa muito para mim). E nossa amiga será apelidada de Raabe. Ore por ela todos os dias de sua vida. Ore com toda sua força. Peça a força dela para sua vida. Peça a fé dela para sua vida. Ore por ela. Ore pelas suas feridas. Ore pelas meninas que ela leciona na Escola Dominical. Ore para que um dia eu possa me encontrar com ela, aqui na Terra, ou no céu, e que possamos tomar um café e conversar (Sabrina, você está convidada também). Ore pela Raabe. Ore pelas Igrejas Perseguidas. Ore. Ore. Ore. 

Eu não quero acabar esse texto nunca mais. Poderia escrever páginas e mais páginas. mas ainda sim não será necessário. Prometo escrever mais sobre as manas. Ok?

Mas para finalizar te digo que hoje aprendi uma valiosa lição. 1, sou pó e que nada valho nesse mundo. Acho que o Espírito está me dizendo algo sobre seguir os sonhos dEle para mim, mas não sei bem, tenho muito medo de não seguir meus sonhos (ore por mim em relação a isso). 2, preciso conhecer Jesus, não O conheço. 3, preciso ter o coração da Raabe. 4, preciso ter a fé da Raabe. 5, quero um dia, tomar um café com a Raabe. 6, preciso orar mais. 7, preciso sonhar o que Cristo sonha para mim. 8, preciso dar mais atenção à missões. 9, necessito falar sobre mulheres e seu valor nessa sociedade machista e violenta conosco, meninas. 10, preciso mesmo conhecer Jesus. 11, preciso estra disposta a morrer com Cristo afim de viver com Ele. 12, eu sou pó. 13, preciso ter a fé da Raabe. 14, meninas, somos fortes! 

E termino esse texto (não o assunto) com um agradecimento à fé de Raabe que reacendeu um fogo no meu coração. Um dia, amiga, eu creio, vamos conversar sobre nós duas e sobre Jesus, mesmo eu não te conhecendo agora e você não tendo ideia de quem eu sou. Um dia, no céu ou na Terra, vamos comemorar a ressurreição de Jesus. Obrigada por dizer sim à Jesus. Sua vida inspirou meninas como eu. E juntas nós podemos mudar o mundo. E juntas podemos levar o Evangelho a todas as criaturas. E juntas, com Jesus, podemos acabar com a violência contra as mulheres. Um grande viva à Quem merece toda Glória: Jesus! Diga comigo: VIVA!